O que é foro privilegiado?


Tié Lenzi
Tié Lenzi
Licenciada em Direito

O foro privilegiado (ou foro especial por prerrogativa de função) é uma garantia jurídica que permite que o processo e o julgamento de ocupantes de alguns cargos públicos aconteça apenas nos Tribunais Superiores - Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal de Justiça e Tribunais de Justiça dos estados.

Na prática isso significa que não há o julgamento inicial que acontece nos outros casos, ou seja, os processos são enviados para serem julgados diretamente em um dos Tribunais Superiores.

O foro privilegiado é previsto para os casos de crimes comuns e crimes de responsabilidade, que são as infrações cometidas por um agente público durante o tempo que ocupa um cargo público.

Quem tem direito ao foro privilegiado?

De acordo com a lei têm direito a julgamento com foro privilegiado:

  • presidente e vice-presidente da República;
  • membros do Congresso Nacional (senadores e deputados federais);
  • Procurador-Geral da República;
  • ministros de Estado;
  • comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica;
  • membros dos Tribunais Superiores (STF, STJ, TST, TSE e STM);
  • membros do Tribunal de Contas da União;
  • chefes de missão diplomática de caráter permanente;
  • governadores dos Estados;
  • desembargadores dos Tribunais de Justiça;
  • membros dos Tribunais de Contas dos Estados;
  • membros dos Tribunais Regionais Federais;
  • membros dos Tribunais Regionais do Trabalho;
  • membros dos Tribunais ou Conselhos de Contas dos municípios;
  • membros do Ministério Público da União (os que trabalham nos Tribunais);
  • prefeitos;
  • deputados estaduais.

Outros cargos também podem ter direito a julgamento com foro privilegiado já que as Constituições dos Estados têm liberdade para definir outras situações.

Até quando dura o foro privilegiado?

O foro privilegiado não é ligado à pessoa, é um privilégio relativo ao cargo público que é ocupado. Dessa maneira, quem cometeu um crime comum ou um crime de responsabilidade vai ter direito ao foro privilegiado até o fim do seu mandato ou enquanto estiver no cargo.

O afastamento temporário para ocupar um outro cargo não é motivo para a perda do benefício.

Fim do foro privilegiado para crimes comuns

Tem sido bastante discutida a possibilidade de que o foro privilegiado deixe de existir para o caso dos crimes comuns. Existe uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que propõe essa mudança, mas a PEC ainda não foi votada.

Se for aprovada o foro privilegiado para os crimes comuns deixaria de existir para a maioria dos cargos. Só continuariam com foro privilegiado para crimes comuns o presidente e o vice-presidente da República, o chefe do Poder Judiciário e os presidentes da Câmara dos deputados e do Senado Federal.

Saiba mais sobre o que é uma PEC.

Veja também

Tié Lenzi
Tié Lenzi
Formada em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande (2009) e mestranda em Ciências Jurídico-Políticas na Universidade do Porto, Portugal.
Página publicada em 17 de Outubro de 2017 e última atualização em 4 de Maio de 2018 às 14:05.
Aviso: Este site não está relacionado a nenhum órgão de governo, autoridade pública, empresa pública ou sociedade econômica mista.