O que é feminicídio?


Tié Lenzi
Tié Lenzi
Licenciada em Direito

O feminicídio é o crime em que a vítima de homicídio é mulher, sendo justamente sua condição de mulher o fator determinante para a ocorrência do crime. O feminicídio (ou femicídio) considera em seu conceito que a motivação do homicídio acontece por desprezo ou discriminação da mulher.

O crime de feminicídio foi definido no Brasil no ano de 2015. A lei nº 13.104/15 alterou o Código Penal e tipificou a conduta.

Além disso, o feminicídio é considerado um crime hediondo (previsto na lei nº 8.072/90), ou seja, faz parte da lista de crimes que são mais graves por causarem maior indignação ou comoção social. A classificação do feminicídio como crime hediondo faz com que a conduta seja tratada pela Lei Penal de forma mais rigorosa.

O que caracteriza o feminicídio?

O que determina que o crime é um feminicídio é a junção de duas situações: a vítima mulher aliada à comprovação de que o crime é cometido por sua condição de mulher.

De acordo com informações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o feminicídio se caracteriza por ser um "crime de ódio, que envolve relações de poder e traços de misoginia".

O que é misoginia?

A misoginia é um sentimento de desprezo ou de raiva contra mulheres. A misoginia também pode se manifestar na forma de preconceitos variados, como julgamentos a respeito de suas atitudes, opiniões ou modo de vida.

Outra característica marcante da misoginia é o tratamento desigual que é dado a homens e mulheres, chamado de desigualdade de gênero.

A relação existente entre a misoginia e o feminicídio é real e, por esse motivo, foi incluída na tipificação do crime. A lei esclarece que "considera-se que há razões de condição de sexo feminino" quando se confirma a hipótese de "menosprezo ou discriminação à condição de mulher".

Tipos de feminicídio

Existem dois tipos principais de feminicídio, que são caracterizados pela motivação que levou ao crime: feminicídio doméstico e feminicídio sexual.

O feminicídio doméstico acontece muitas vezes dentro do ambiente familiar, a partir de uma relação de intimidade que existe entre o agressor e a vítima.

Entretanto, isso não quer dizer que o feminicídio doméstico só ocorre entre casais, mas pressupõe a existência de uma relação de proximidade ou intimidade entre a vítima e o autor do crime.

O feminicídio sexual ocorre juntamente com a execução de um crime de natureza sexual. De acordo com a ONU Mulheres, esse tipo de feminicídio é caracterizado como "a morte de uma mulher cometida por um homem desconhecido, com quem a vítima não tinha nenhum tipo de relação".

O feminicídio na lei

O crime de feminicídio foi incluído no Código Penal pela lei nº 13.104/15. Esta lei incluiu o crime como uma forma de homicídio qualificado, determinado no artigo 121, §2º do Código Penal.

As penas para o crime variam entre 12 e 30 anos de reclusão. Veja:

Artigo 121. Matar alguém:
Homicídio qualificado
§ 2° Se o homicídio é cometido:
VI - contra a mulher por razões da condição de sexo feminino:
Pena - reclusão, de doze a trinta anos.

Além disso, a lei prevê que a pena pode ser aumentada em até 1/3 do tempo, caso o crime seja cometido em alguma das seguintes situações:

  • durante a gestação ou nos três meses após o parto,
  • contra mulher menor de 14 anos ou maior de 60 anos,
  • contra mulher com alguma deficiência ou portadora de doenças que a tornem vulnerável física ou mentalmente,
  • na presença (física ou virtual) dos filhos ou dos pais da vítima,
  • em situação de descumprimento de medidas protetivas de urgência.

O feminicídio no Brasil

De acordo com dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), o Brasil é o quinto país do mundo no ranking do feminicídio.

Conforme o Atlas da Violência de 2018, publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), por dia são confirmados 13 homicídios violentos em que as vítimas são mulheres.

Estes dados demonstram que a cada duas horas uma mulher é assassinada no país. A pesquisa também revela que o maior percentual de mulheres assassinadas está na faixa etária entre 18 e 30 anos.

Números da violência

O número de casos de feminicídio tem crescido no país, apesar da existência de legislação que trate especificamente desse crime e das campanhas de conscientização de combate à violência contra a mulher.

Conforme os dados publicados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, no ano de 2016 foram registrados 812 feminicídios. Em 2017 ocorreram 1047 feminicídios e em 2018 foram registrados outros 1173, o que demonstra um aumento sucessivo no número de casos a cada ano.

Gráfico
Registros oficiais de feminicídios no Brasil (2016 - 2018).

O combate à violência contra a mulher é um dos temas mais comentados em 2019. Veja mais no artigo sobre atualidades.

Feminicídio e a Lei Maria da Penha

O surgimento da Lei Maria da Penha é um avanço muito importante no combate ao feminicídio e a todas as formas de violência contra a mulher. A lei nº 11.340/06 foi aprovada em 2006 e regulamenta a criminalização das formas de violência doméstica e familiar contra as mulheres.

A lei é importante para o combate ao feminicídio pois os dados oficiais apontam que a maior parte dos crimes que resultam em mortes de mulheres ocorrem no ambiente familiar, sendo muitas vezes uma consequência de outras violências anteriormente cometidas.

Conheça mais detalhes sobre o funcionamento da Lei Maria da Penha.

Veja também

Tié Lenzi
Tié Lenzi
Formada em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande (2009) e mestranda em Ciências Jurídico-Políticas na Universidade do Porto, Portugal.
Página publicada em 9 de Maio de 2019 e última atualização em 20 de Maio de 2019 às 16:05.
Aviso: Este site não está relacionado a nenhum órgão de governo, autoridade pública, empresa pública ou sociedade econômica mista.