O que é prisão preventiva?


Tié Lenzi
Tié Lenzi
Mestre em Ciências Jurídico-Políticas

A prisão preventiva é um tipo de prisão determinada para garantir que a investigação criminal não seja prejudicada. Pode ser decretada em qualquer fase do inquérito, desde que seja justificada para proteger o andamento da investigação.

Essa prisão é uma exceção e só deve ser aplicada nos casos descritos na lei. É importante lembrar que nenhuma pessoa deve ser considerada culpada até o momento da condenação e esse direito é protegido pelo Constituição Federal. Por isso, a prisão preventiva não é condenatória, já que ela acontece antes do julgamento do processo criminal.

A medida de prisão preventiva deve ser determinada pelo juiz e só deve ser aplicada nesses casos:

  • em crimes dolosos que são punidos com pena máxima de mais de 4 anos;
  • se o acusado já tiver sido condenado por outro crime doloso que já tenha sentença transitada em julgado (sem possibilidade de recurso);
  • se a acusação for por crime de violência doméstica contra mulheres, idosos, crianças, adolescentes, pessoas doentes ou com deficiência.

Quais são os requisitos?

Para a prisão preventiva ser decretada devem ser cumpridos esses requisitos, que são verificados pelo juiz:

  1. Comprovação da prática do crime: é preciso que existam provas suficientes que evidenciem que o crime foi praticado. Se existirem dúvidas e ainda não for possível afirmar que o crime aconteceu, a prisão preventiva não poderá ser decretada.
  2. Indícios suficientes de autoria: indicativos e provas colhidas durante a investigação criminal que já sejam suficientes para indicar que o indivíduo acusado é o provável autor do crime. Se não existirem evidências suficientes, a prisão também não deve ser decretada.

Motivos que justificam a prisão preventiva

Como vimos, a preventiva só pode ser determinada nos casos que a lei permite: garantia da ordem pública e econômica, proteção da investigação e da aplicação da lei.

Garantia da ordem pública e econômica significa evitar que o acusado cometa outros crimes enquanto durarem as investigações.

A proteção da investigação e da aplicação da lei tem a função de impedir que o acusado possa fugir ou mesmo atrapalhar o andamento das investigações.

Esses fundamentos são encontrados no artigo 312 do Código de Processo Penal:

Artigo 312 - A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria e de perigo gerado pelo estado de liberdade do imputado.

Quem pode pedir a prisão preventiva?

O juiz pode decretar a prisão de ofício, isto é, se ele entender que é necessário e verificar que o acusado e o caso investigado se encaixam nos requisitos exigidos.

A prisão preventiva também pode ser pedida por:

  • Ministério Público;
  • A autoridade policial responsável pelo inquérito,
  • Querelante (o autor da ação penal).

A prisão preventiva tem prazo?

A prisão preventiva não tem um prazo máximo dado pela lei, ela pode durar enquanto for possível justificar sua necessidade e essa avaliação é feita pelo juiz.

Devemos relembrar que esse tipo de prisão não pode ter duração indeterminada porque não é uma prisão condenatória, é apenas preventiva.

Revogação da prisão

A prisão pode ser revogada a qualquer momento, quando o juiz responsável entender que as causas que originaram o pedido de prisão preventiva já não estão mais presentes.

A revogação da prisão preventiva também pode ser pedida pelo advogado do acusado e não deve ser confundida com o pedido de liberdade provisória (aplicada para a prisão em flagrante).

Veja também

Tié Lenzi
Tié Lenzi
Licenciada em Direito e Mestre em Ciências Jurídico-Políticas pela Universidade do Porto, Portugal.
Página publicada em 3 de Março de 2020 e última atualização em 3 de Março de 2020 às 19:03.
Aviso: Este site não está relacionado a nenhum órgão de governo, autoridade pública, empresa pública ou sociedade econômica mista.